Livraria 18 de Abril

Register for free | Sign in

Reverso da violência

   

O tema violência tem ocupado as páginas dos jornais e as imagens televisivas com frequência.

As pessoas se afirmam temerosas de sair à rua, tanto quanto permanecerem a sós, em seus lares.

Há os que temem pela segurança dos filhos a caminho da escola e lhes providenciam assessores e guardiães para os acompanhar em todo o trajeto.

Comenta-se sobre as cenas de violência na TV, que somam horas. Uma estatística americana detectou que, durante uma hora de desenhos, uma criança presencia 18 cenas de violência. Programação que lhe é especialmente destinada.

Existem, contudo, outras formas de violência.

A violência que se registra, portas adentro do lar, no inter-relacionamento pessoal.

Esposos que não se falam senão por monossílabos, e que utilizam de longos e pesados silêncios em seus diálogos.

Irmãos que mal conseguem se ver, dada a aversão um pelo outro.

Violência do abandono dos afetos e da busca do prazer individual, deixando à retaguarda responsabilidade e compromissos de anos.

Violência da miséria que assola comunidades inteiras, relegadas a precárias condições de sobrevivência.

Violência da ignorância, do medo, que gera atos de insânia, qual o do abandono de recém-natos ao frio da madrugada.

Assim aconteceu há algum tempo. Uma jovem mãe teve seu bebê nas primeiras horas da manhã. Pobre e sem amparo, embrulhou o pequenino em um pacote de supermercado e o largou à beira de uma estrada.

Cerca de três horas depois, outra mulher carregada de filhos e de dores, passou por ali. Atraída pelo choro débil, tomou do embrulho e surpreendeu-se com o conteúdo.

Apesar do frio daquela manhã, o bebê ainda vivia. Preocupada, a senhora largou o carrinho de recolher papéis e procurou o hospital mais próximo.

Enquanto aguardava o atendimento, que não se fez demorar, ficou estreitando a criança contra o próprio peito, a cobri-la de beijos e de carinhos.

Sua atitude atraiu a atenção de repórteres, pois que mesmo após ter entregue o bebê aos cuidados médicos, ali ficou para saber das suas condições de saúde.

Entrevistada, afirmou que desejava ficar com a criança, embora os escassos recursos e as bocas que tinha para alimentar.

Olho-a, dizia, e nela vejo o Cristo. Como não desejar ampará-la?

Eis a face oposta à violência. É a face dos que amam, de forma irrestrita, sobrepujando as próprias agruras.

À semelhança dessa anônima mulher, batalhadora e sensível, outras tantas almas existem, no planeta, diluindo a violência com seus atos de heroísmo solitário, com sua bravura diária.

São flores que exalam seu perfume discreto em meio aos espinhos da indiferença e do descaso, combatendo a violência, com suas posturas de legítimas seguidoras do Senhor Jesus.

* * *

Existe um grande número de estudiosos, em todo o mundo, que se encontra debruçado sobre lentes microscópicas ou envolvendo-se em experiências em laboratórios, no afã de descobrir a cura para enfermidades ou, ao menos, alguma forma de amenizar dores físicas.

Isso atesta que, no planeta de provas e expiações em que nos encontramos, corações voltados ao bem já vivem e respiram o mundo de regeneração, o do bem.

Redação do Momento Espírita.