Livraria 18 de Abril

Register for free | Sign in

Expressão da gratidão

   

A gratidão é um dever. Contudo, poucos de nós a cultivamos.

Por temperamento, às vezes nos retraímos quando deveríamos exteriorizar o sentimento.

Por não traduzirmos os tesouros da boa palavra e da gentileza, esses tesouros vão enferrujando nos cofres do nosso coração.

Quantas dádivas, oportunidades, bênçãos, favores recolhemos sem dizermos nada além de uma formal expressão de reconhecimento.

E a gratidão não faz bem somente a quem lhe recebe a manifestação, aquecendo-lhe o coração. Também reconforta quem a oferece.­ Conta-se que, durante a sua luta pela conquista da liberdade, os Estados Unidos tiveram a ajuda de um nobre francês de nome Lafayette, que logo se tornou amigo de George Washington e o tomou por ideal.

Em 1824, já idoso, Lafayette visitou cada Estado e Território da União, recebendo muitas honrarias. Eram recepções, bailes, jantares que se sucediam.

Numa das recepções, apresentou-se na fila de convidados para saudar o velho nobre francês, um soldado vestido com um uniforme todo roto.

Nas mãos trazia um mosquete e, ao ombro, um pedaço de cobertor.

Quando chegou frente a Lafayette, o veterano bateu continência e perguntou: "Sabe quem eu sou?"

"Na verdade não posso dizer que sim", respondeu com franqueza.

"Pois vou lhe avivar a memória, general. Numa noite gélida, o senhor fazia a ronda. Encontrou um sentinela com roupas leves e sem meias. Estava quase morrendo congelado. O senhor lhe tomou das mãos a arma e ordenou:

"Vai à minha cabana. Lá encontrarás meias, um cobertor e fogo. Depois de te aqueceres, traze o cobertor para mim. Enquanto isso, eu ficarei de guarda.’ O soldado obedeceu as ordens. Quando voltou para o posto, o senhor rasgou o cobertor em dois pedaços. Ficou com uma das partes e deu a outra ao sentinela.

General, aqui está uma das metades daquele cobertor, pois eu sou o sentinela cuja vida o senhor salvou."

A regra de ouro é sempre bendizer àqueles que nos ofertam assistência e auxílio.

Não nos cabe desconsiderar a gratidão como o gesto de ternura, a palavra cálida, a atenção gentil, o sorriso expressivo de afeto espontâneo.

Doemos sempre nossa expressão de reconhecimento aos que se tornam nossos protetores na Terra, não esquecendo de que eles representam a materialização do amor de nosso Pai, na dura jornada que nos cabe trilhar.

Você sabia?

...que Lafayette tinha somente 19 anos de idade quando deixou o seu País para lutar pela liberdade americana?

E que, ao chegar aos Estados Unidos, disse que fora lá para aprender, e não para ensinar?

Em nome da amizade que devotou a George Washington deu ao próprio filho o nome de Washington.

Equipe de Redação do Momento Espírita, com base no texto Fraternidade de longa data, de Fanny E. Coe, de O Livro das virtudes, v. 2, de William J. Bennet, ed. Nova Fronteira e no cap. 26 do livro Convites da vida, do Espírito Joanna de Ângelis, psicografado por Divaldo Pereira Franco, ed. Leal.