Livraria 18 de Abril

Register for free | Sign in

Temor de Deus

   

Há algum tempo uma reportagem relatava os malefícios do temor a Deus, nas crianças. Estatisticamente mostrava como elas se angustiam com a idéia de um Deus que as está observando sempre, e que as punirá pelos erros que cometam.

A angústia gera stress e adultos inseguros. Uma das garotas que a reportagem assinalava disse que interpretou como punição divina o fato de sua irmã menor ter demorado tanto para chegar.

Algumas crianças demonstram seu stress acordando no meio da noite com terror, têm sentimento de culpa exacerbado, chegam à taquicardia, irritação e gagueira. Outras apresentam dificuldade de concentração, dores de estômago e enurese noturna.

Ao depararmos o quadro, nos indagamos quem colocou nas crianças tais conceitos?

Habitualmente, são os próprios pais ou seus educadores que, por falta de autoridade moral, não conseguindo colocar limites aos filhos e educandos, utilizam a figura de um Deus punidor e terrível.

É um quadro semelhante àquele de se utilizar a figura do guarda, do policial como aterradora. Alguém que prende, que leva a criança embora, que a arranca dos pais, que a encerra em um local escuro como punição pelas suas faltas.

A reportagem demonstra, verdadeiramente, que ainda nos situamos distantes da verdadeira educação. Que estamos reprisando os moldes que foram utilizados conosco ou com nossos pais. Moldes ultrapassados e que refletem, naturalmente, uma época em que o desenvolvimento da psicologia e o conhecimento do ser humano não haviam atingido os pontos atuais.

Face ao exposto, cabe-nos estabelecer duas regras de conduta. A primeira é nos educarmos para educar. Tornarmo-nos moralmente seguros para estabelecer os limites, a conduta a ser seguida pelos nossos filhos.

A segunda é nos instruirmos no campo religioso, pois desde há dois mil anos, o Divino Mestre ensinou que Deus é amor. Nosso Pai. Pai que ama a seus filhos e que derrama do Seu amor sobre justos e injustos, bons e maus.

Deus que veste a erva do campo, que providencia alimento às aves do céu e que, com maior zelo, movimenta sua providência na direção do homem.

Deus que criou a terra plena de bênçãos para que dela usufruamos, que estabeleceu um universo semeado de sóis, estrelas e planetas para nossas futuras moradas.

Deus de amor, justiça e bondade.

...............

Deus permanece sempre guiando e fortalecendo os homens para a felicidade.

De Deus é a linguagem positiva do equilíbrio, atuando à distância.

Não duvidemos desta verdade, nem a desconsideremos.

Deus permanece conosco. Basta que O descubramos dentro de nós.

Equipe de Redação do Momento Espírita