Livraria 18 de Abril

Register for free | Sign in

A morte não existe

   

Nos Estados Unidos, o livro Talking to heaven, que reproduz as conversas do médium Van Praagh, com os mortos, tem sido um sucesso.

O autor do livro, que é o próprio médium, defende a tese de que não existe morte, mas apenas vida.

A grande busca de livros como esse e outros do gênero demonstra o interesse dos homens pelo que vulgarmente se chama sobrenatural, nesta virada de milênio.

O ser humano, trazendo em si mesmo a intuição da imortalidade, tem buscado ao longo dos tempos, provar que não é apenas um amontoado de ossos e músculos.

Todavia, mergulhando no corpo físico, pelas portas da reencarnação, grande parte dos seres passa a duvidar da vida após a morte, quando deixa um ser querido nas portas do túmulo e dele se afasta por tempo indeterminado.

Façamos uma comparação que talvez torne mais clara a questão da imortalidade.

Imaginemos que um navio, carregado de emigrantes, parta para destino longínquo.

Leva homens, mulheres e crianças de todas as condições, parentes e amigos dos que ficam.

Algum tempo depois da partida, surge a notícia de que o navio naufragou. Nenhum vestígio resta dele, nenhuma notícia sobre sua sorte.

Acredita-se que todos os passageiros pereceram e o luto penetra em todas as suas famílias.

Entretanto, a equipagem inteira, sem faltar um único homem, foi ter a uma ilha desconhecida, abundante e fértil, onde todos passam a viver ditosos.

Ninguém, todavia, sabe disso.

Porém, um belo dia, outro navio aporta a essa terra e lá encontra sãos e salvos todos os supostos náufragos.

A boa notícia se espalha com a rapidez do relâmpago e todos exclamam felizes: Não estão perdidos os nossos amigos e familiares! E rendem graças a Deus.

E, embora não possam ver-se uns aos outros, correspondem-se e permutam demonstrações de afeto e, assim, a alegria substitui a tristeza e a saudade se transforma em esperança de um reencontro futuro.

Tal é a imagem da vida terrena e da vida de Além-túmulo.

O segundo navio, por comparação, seriam as inúmeras mensagens dos mortos, ditadas através dos médiuns, trazendo-nos a boa notícia da sobrevivência dos que partiram antes de nós.

E, para quem busca, com sinceridade, as provas da vida após a morte, as encontrará na vasta literatura que fala sobre o assunto.

* * *

Durante o sono podemos manter contato com os seres que já partiram para a Pátria espiritual.

Ao contrário do que se pensa, os encontros entre vivos e mortos são muito comuns.

Tanto isso é uma realidade, que vários filmes e telenovelas enfocam o assunto com naturalidade.

Assim, o fato de sabermos que as pessoas que amamos continuam vivas no Além-túmulo é, verdadeiramente, uma notícia consoladora.

Pensemos nisso!

Redação do Momento Espírita, com base no item 62, do cap. I, do livro A gênese, de Allan Kardec, ed. Feb, e em Entrelinhas do jornal Gazeta do Povo, do dia 14/03/98.