Livraria 18 de Abril

Register for free | Sign in

A cadeira no caminho

   

Depois de um dia inteiro passado longe da família, entra em casa o pai, à noite.

Sua chegada alvoroça o filho que, esperando algum presente para ele, se precipita de braços abertos.

Por descuido, o pequeno estabanado vai de encontro a uma cadeira no caminho, e cai no chão, violentamente.

Não se machucou, mas, assustado pela surpresa da queda, põe-se a chorar em altos gritos.

Então, o pai só pensa em duas coisas: fazer calar o menino e acalmá-lo. Como conseguirá?

Facilmente, associando-se simplesmente aos sentimentos da criança, ajudando-a a soltar a rédea aos maus instintos.

Como assim? Liberando maus instintos? Não seria justamente o oposto que deveríamos fazer?

Pois bem, vejamos como a reação desse pai mostra que tomamos muitos caminhos absolutamente equivocados na educação de nossos filhos.

Reforçamos os maus instintos sem perceber, mais vezes do que imaginamos.

O pai precipita-se, levanta a criança, e começa a bater na cadeira ruim, cadeira feia, que fez cair o Carlinhos ou o Joãozinho.

Desse modo consegue rapidamente o que se propusera, pois Carlinhos ou Joãozinho, feliz por ver a cadeira castigada, cala-se, bate-lhe também, e fica satisfeitíssimo.

Não é verdade que assistimos cenas como essa diversas vezes?

Vamos analisar então o alcance real desse ato que tão inocente se supõe.

Quem tem culpa da queda da criança? Ela mesma, evidentemente. E quem foi castigada? A cadeira.

Lançando a culpa à cadeira, perde-se uma oportunidade de demonstrar praticamente à criança as conseqüências de sua imprudência e da sua atrapalhação.

Assim se deforma o seu critério de julgar, apresentando-lhe uma falsa relação entre a causa e o efeito.

Toda oportunidade de trabalhar esta temática, a da causa e do efeito, com as crianças, deve ser abraçada com vigor, pois nas pequenas aplicações do dia-a-dia está o desvendar de uma Lei Divina fundamental.

Mas, poderíamos ainda ir além e perguntar: por que sempre precisa haver um culpado? Por que não ensinamos as crianças a entenderem que existem muitas coisas que fazem parte da vida, e que sempre nos ensinam alguma coisa?

A cadeira no caminho poderia estar ensinando o cuidado, a atenção, ou ainda, poderia ser apenas uma cadeira no caminho.

Se fôssemos, na vida, abrir um berreiro, ou buscar culpados, para cada cadeira no caminho, esqueceríamos de viver, certamente, e seríamos só lamentos ambulantes.

Não deixemos que nossos filhos cultivem visões distorcidas da realidade desde cedo.

Não permitamos que a superproteção, ou nossos próprios medos atrapalhem o bom desenvolvimento de um ser, que precisa aprender a enfrentar os desafios da vida.

Punir a cadeira feia nunca será a solução. Nem deixaremos de sentir a dor da queda, nem resolveremos o problema da cadeira no caminho.

Entender que a lei de causa e efeito nos rege em todos os campos, inclusive no moral, faz-se importantíssimo, se desejamos ser bons pais e educadores.

* * *

O Espírito Meimei coloca na fala das crianças do mundo palavras de extrema beleza:

Peço-te, não me esqueças º pois sou teu filho, teu aluno, teu neto.

Sempre teu irmão, pedindo apenas a quota de amor e paciência de que preciso para me fazer homem de bem e companheiro de teu ideal.

Redação do MomentoEspírita com base no cap. Eduquemos as crianças, do livro Crônicas de educação, de Cecília Meireles, ed. Nova fronteira e no livro Educação segundo o Espiritismo, de Dora Incontri, ed. Comenius.