Livraria 18 de Abril

Register for free | Sign in

O mundo não é mais o mesmo

   

Quando uma catástrofe de grandes proporções assume as manchetes dos meios de comunicação de massa, o povo declara, indignado: "o mundo não é mais o mesmo!"

No entanto, a cada momento que um cidadão melhora, com sua ação, uma situação qualquer, pode-se dizer que o mundo não é mais o mesmo: está melhor.

Quando uma pessoa adota uma criança sem pais; quando alguém de boa vontade dedica seu tempo a um idoso desvalido; quando pessoas de bem visitam presídios e levam afeto a delinqüentes infelizes, podemos dizer que o mundo está um pouco melhor.

Quando voluntários se dedicam a crianças que não têm acesso à arte, à cultura, à escola, o mundo não é mais o mesmo, está melhor.

E quando um homem doa seu tempo e seus conhecimentos em prol da construção da liberdade de povos que sequer falam a sua língua, podemos afirmar com certeza: o mundo está bem melhor.

Pouco se ouvia falar do cidadão Sérgio Vieira de Mello até o dia em que um carro-bomba explodiu sob a janela de seu escritório, no Iraque.

No entanto, aquele homem singular tinha um ideal bem definido, ao qual dedicou trinta e cinco anos de sua curta jornada terrestre.

Era um homem que se compadecia com a desgraça do próximo.

Por sua diplomacia, firmeza e doçura, foi enviado pela organização das nações unidas para ajudar na solução dos conflitos deixados no Iraque após a invasão norte-americana.

Ele atuou em Kosovo, Timor Leste, Moçambique, Sudão, Chipre, Peru, sempre com o intuito de promover a paz e a concórdia entre povos em conflito.

A cada uma das suas ações de paz, certamente o mundo ficava um pouco melhor.

...Um homem..., uma vida..., um ideal.

...O mundo não é mais o mesmo...

As luzes do palco físico se apagavam lentamente para aquele trabalhador incansável...

Seu corpo físico estava ferido e preso entre os escombros, mas a dor não impedia aquele construtor de um mundo melhor de pensar em seus amigos e companheiros de jornada...

O bombeiro que tentou salvá-lo, "disse que em momento algum, mesmo em suas últimas horas, o brasileiro mencionou que era Sérgio Vieira de Mello, funcionário veterano da onu e o homem escolhido pelo secretário-geral da organização, Kofi Annan, para liderar a missão no Iraque."

Disse, ainda, que enquanto conversava com Sérgio para mantê-lo consciente, ele perguntava:

Como estão todos? Há quantas pessoas feridas? Você pode me dizer o que aconteceu?

Mesmo ferido e sentindo dores acerbas, Sérgio pensava nos outros.

Poucas horas mais tarde, o missionário saía de cena...

Deixava os palcos terrenos onde desempenhou com maestria o papel que lhe competia...

No instante derradeiro, quando suas forças estavam no fim, Sérgio usou o sopro de voz que lhe restava para expressar o desejo de que a onu continuasse no Iraque.

"Não deixe que eles retirem a missão", disse ao bombeiro que lhe prestava socorro.

Por tudo isso hoje, hoje podemos dizer que o mundo não é mais o mesmo... está melhor. Porque um homem, que não era, nem pretendia ser santo, fez a sua parte.

Um homem que colocou seu tijolo de amor na construção de um mundo onde a paz possa ser, um dia, realidade.

... Um homem, um ideal, uma vida.

Sérgio Vieira de Mello escreveu, com as tintas inapagáveis do amor ao próximo, sua história... e deu a vida pelo ideal de um mundo livre e soberano, onde os direitos humanos sejam efetivamente respeitados.

E, como tantos outros, ao fechar a mala e retornar para casa, Sérgio pôde dizer:

Meu dia de trabalho acabou. Mas não posso dizer: minha vida acabou. Meu dia de trabalho se iniciará de novo na manhã seguinte. O túmulo não é um beco sem saída, é uma passagem. Fecha-se ao crepúsculo e a aurora vem abri-lo novamente.

Equipe de Redação do Momento Espírita, com base em matéria publicada no jornal Gazeta do Povo, em 27/08/2003 e em palavras de Vitor Hugo, do livro A Reencarnação Através dos Séculos.