Livraria 18 de Abril

Register for free | Sign in

O mau impulso

   

Conta-se que um aldeão, homem rude, mas sincero, queixou-se ao sábio de que o mau impulso o dominava constantemente e o arrastava ao pecado.

Sabes montar a cavalo? Perguntou o sábio.

Sei, sim senhor, respondeu prontamente o aldeão.

E monto com muita perícia. Sei até lidar com cavalos bravios.Que fazes, quando te acontece de cair? Indagou o sábio.

Monto outra vez retrucou o homem com certa empáfia.

Pois bem: faz de conta que o mau impulso seja o cavalo disse o sábio, com um sorriso de inteligência.

Se caíres, torna a montar. No fim domarás o cavalo bravio e andarás pela vida sem receio.

Importante ensinamento esse, pois muitos são os que jogam a culpa de seus atos infelizes nos seus maus impulsos.

Dizem que a carne é fraca e com isso justificam os instintos negativos de toda ordem.

Em O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec, esse assunto foi tratado com muita clareza.

Desejando saber sobre as paixões ou impulsos que têm conduzido o homem a grandes conquistas mas também a grandes abismos, o codificador perguntou aos Sábios do espaço:

Será substancialmente mau o princípio originário das paixões, embora esteja na natureza?

"Não; responderam os imortais, a paixão está no excesso de que se acresceu a vontade, visto que o princípio que lhe dá origem foi posto no homem para o bem, tanto que as paixões podem leva-lo à realização de grandes coisas. O abuso que delas se faz é que causa o mal."

Desejando aclarar mais o entendimento, Kardec indaga:

Como se poderá determinar o limite onde as paixões deixam de ser boas para se tornarem más?

E a resposta: "as paixões são como um corcel, que só tem utilidade quando governado e que se torna perigoso desde que passe a governar.

Uma paixão se torna perigosa a partir do momento em que deixais de poder governa-la e que dá em resultado um prejuízo qualquer para vós mesmos, ou para outrem."

As paixões são alavancas que decuplicam as forças do homem e o auxiliam na execução dos desígnios da providência.

Mas, se, em vez de as dirigir, deixa que elas o dirijam, cai o homem nos excessos e a própria força que, manejada pelas suas mãos poderia produzir o bem, volta-se contra ele e o esmaga.

Todas as paixões têm seu princípio num sentimento, ou numa necessidade natural. O princípio das paixões não é, assim, um mal, pois que assenta numa das condições providenciais da nossa existência.

A paixão propriamente dita é a exageração de uma necessidade ou de um sentimento. Está no excesso e não na causa e este excesso se torna um mal, quando tem como conseqüência um mal qualquer.

Toda paixão que aproxima o homem da natureza animal afasta-o da natureza espiritual.

Todo sentimento que eleva o homem acima da natureza animal denota predominância do espírito sobre a matéria e o aproxima da perfeição.

Como podemos perceber, o sábio tinha razão quando disse ao aldeão que quem devia conduzir o corcel era ele e não o inverso.

Quando não conseguimos segurar as rédeas dos impulsos, eles nos levam por caminhos difíceis e podemos nos ferir gravemente ou nos precipitar em abismos escuros e profundos.

Por todas essas razões, vale a pena domar esse cavalo bravio que muitas vezes tenta nos dominar.

***

A ambição é um exemplo de paixão que impulsiona o homem a grandes conquistas. Mas quando o homem se deixa por ela dominar, pode encontrar pela frente muita dor e sofrimento.

Pense nisso!

Equipe de Redação do Momento Espírita, com base em conto de Malba Tahan, extraído do livro "Lendas do povo de Deus" e na pergunta 908 de O Livro Dos Espíritos.