Warning: Use of undefined constant pesquisar - assumed 'pesquisar' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/reflexao/www/public/propriedades.php on line 235

Warning: Use of undefined constant comentarios - assumed 'comentarios' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/reflexao/www/private/propriedades.php on line 60

Warning: Use of undefined constant todos - assumed 'todos' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/reflexao/www/private/propriedades.php on line 66

Warning: Use of undefined constant todos - assumed 'todos' (this will throw an Error in a future version of PHP) in /home/reflexao/www/private/propriedades.php on line 69
Momento de Reflexão

Livraria 18 de Abril

Register for free | Sign in

Livro de visitas

Clique em "Assinar o livro" à esquerda para deixar seu depoimento

 ler o que vcs escrevem e ouvir as músicas que vcs adicionam às sua mensagens, é como viajar para um lugar aonde só se encontra paz e harmonia.adoro vcs. um beijão. - MARI ALENCAR / CURITIBA PARANA BRASIL - 55 anos

 

 sou policial militar e todos os dias quando começo a trabalhar, a primeira coisa que faço é acessar o site do momento de reflexão, só a partir daí é que meu dia se torna mais tranquilo, pois quando leio as mensagens me sinto em paz com meu espírito e me dá forças para enfrentar o dia-a-dia de um policial militar. um grande abraço a todos! - MELQUISEDéC BATISTA MARQUES / BOTELHOS/MG/BRASIL - 37 anos

 

 oi , como É linda esse saite vcs estÃo de parabens pelas msgs lindas de carinho e afeto que passamos para nossas pessoas queridas que muito amamos muitos bjssssssssssssssss e fiquem com deus meus amigos . - ABILA JUPIARA / VOLTA REDONDA/RJ/BRASIL - 25 anos

 

 meu pequenos relatos, sobre o momento de refleçao,muito lindo tava sem conseguir dormi fui ver meus momentos de refleçao fiquei mais tranquila. - MARIA MARGARIDA FIRMANO / RIO DE JANEIRO RJ BRASIL - 38 anos

 ter um tempo para refletir faz muito bem... - MICHELE

 

 tornar-se espírita não é santificar-se automaticamente, não significa privilégio e nem expressa cárcere interior. É oportunidade de libertação da alma, com responsabilidades maiores ante as leis da criação. É reencarnar-se moralmente, de novo, dentro da própria vida humana. convicção espírita é galardão abençoado no aprendizado multimilenar da evolução. desse modo, nem prevenção nem invigilância constituem caminhos para semelhante conquista. urge sustentar perseverança e paciência na execução justa de todos os deveres. evite arrancar abruptamente as raízes defeituosas, mas profundas, de suas atividades; empreenda qualquer renovação pouco a pouco. contenha oos ímpetos de defesa intempestiva das suas idéias novas; sedimente primeiro os próprios conhecimentos. espiritismo é claridade eterna. gradue a intensidade da luz que você vislumbrar para que seus olhos não sejam acometidos pela cegueira do fanatismo. muitos irmãos nossos ainda se debatem nas lutas de subnivel, porque não se dispuseram a aceitar a realidade que você está aceitando, mas também, outros muitos palmilharam o lance da experiência que hoje você palmilha e nem por isso alcançaram êxitos maiores na batalha íntima e intransferível que travamos conosco, em vista da negligência a que ainda se afazem. crença não nos exime da consciência. acertar ou cair são problemas pessoais. tudo depende de você. quem persiste na ilusão, abraça a teimosia. quanto mais se edifica a inteligência, mais se lhe acentua o prazer de servir. obedeça, pois, ao chamamento do senhor, emprestando boa-vontade ao engrandecimentos da redenção humana, através do trabalho ativo e incessante nos diversos setores em que se possa desenvolver a colaboração. conserve-se encorajado e confiante, alegria serena, em marcha uniforme, é a norma ideal para atingir-se a meta colimada. eleve anseios e esperanças, tentando sublimar emoções e cometimentos. acima de tudo, consolide no coração a certeza de que a revelação maior é aquela que preceitua o dever de procurar com jesus a nossa libertação do mal e, em nosso próprio benefício, compreendamos a real posição do mestre como excelso condutor de nosso mundo, em cujo infinito amor estamos construíndo o reino de deus em nós. andrÉ luiz (o espírito da verdade, 92, chico xavier, waldo vieira, feb) - JOãO PAULO BARUFI / MATO GROSSO - 32 anos

 

  o homem de bem · o verdadeiro homem de bem é o que cumpre a lei de justiça, de amor e de caridade, na sua maior pureza. se ele interroga a consciência sobre seus próprios atos, a si mesmo perguntará se violou essa lei, se não praticou o mal, se fez todo o bem que podia, se desprezou voluntariamente alguma ocasião de ser útil, se ninguém tem qualquer queixa dele; enfim, se fez a outrem tudo o que desejara lhe fizessem. · deposita fé em deus, na sua bondade, na sua justiça e na sua sabedoria. sabe que sem a sua permissão nada acontece e se lhe submete à vontade em todas as coisas. · tem fé no futuro, razão por que coloca os bens espirituais acima dos bens temporais. · sabe que todas as vicissitudes da vida, todas as dores, todas as decepções são provas ou expiações e as aceita sem murmurar. · possuído do sentimento de caridade e de amor ao próximo, faz o bem pelo bem, sem esperar paga alguma; retribui o mal com o bem, toma a defesa do fraco contra o forte, e sacrifica sempre seus interesses à justiça. · encontra satisfação nos benefícios que espalha, nos serviços que presta, no fazer ditosos os outros, nas lágrimas que enxuga, nas consolações que prodigaliza aos aflitos. seu primeiro impulso é para pensar nos outros, antes de pensar em si, é para cuidar dos interesses dos outros antes do seu próprio interesse. o egoísta, ao contrário, calcula os proventos e as perdas decorrentes de toda ação generosa. · o homem de bem é bom, humano e benevolente para com todos, sem distinção de raças, nem de crenças, porque em todos os homens vê irmãos seus. · respeita nos outros todas as convicções sinceras e não lança anátema aos que como ele não pensam. · em todas as circunstâncias, toma por guia a caridade, tendo como certo que aquele que prejudica a outrem com palavras malévolas, que fere com o seu orgulho e o seu desprezo a suscetibilidade de alguém, que não recua à idéia de causar um sofrimento, uma contrariedade, ainda que ligeira, quando a pode evitar, falta ao dever de amar o próximo e não merece a clemência do senhor. · não alimenta ódio, nem rancor, nem desejo de vingança; a exemplo de jesus, perdoa e esquece as ofensas e só dos benefícios se lembra, por saber que perdoado lhe será conforme houver perdoado. · É indulgente para as fraquezas alheias, porque sabe que também necessita de indulgência e tem presente esta sentença do cristo: "atire-lhe a primeira pedra aquele que se achar sem pecado." · nunca se compraz em rebuscar os defeitos alheios, nem, ainda, em evidenciá-los. se a isso se vê obrigado, procura sempre o bem que possa atenuar o mal. · estuda suas próprias imperfeições e trabalha incessantemente em combatê-las. todos os esforços emprega para poder dizer, no dia seguinte, que alguma coisa traz em si de melhor do que na véspera. · não procura dar valor ao seu espírito, nem aos seus talentos, a expensas de outrem; aproveita, ao revés, todas as ocasiões para fazer ressaltar o que seja proveitoso aos outros. · não se envaidece da sua riqueza, nem de suas vantagens pessoais, por saber que tudo o que lhe foi dado pode ser-lhe tirado. · usa, mas não abusa dos bens que lhe são concedidos, porque sabe que é um depósito de que terá de prestar contas e que o mais prejudicial emprego que lhe pode dar é o de aplicá-lo à satisfação de suas paixões. · se a ordem social colocou sob o seu mando outros homens, trata-os com bondade e benevolência, porque são seus iguais perante deus; usa da sua autoridade para lhes levantar o moral e não para os esmagar com o seu orgulho. evita tudo quanto lhes possa tornar mais penosa a posição subalterna em que se encontram. · o subordinado, de sua parte, compreende os deveres da posição que ocupa e se empenha em cumpri-los conscienciosamente. (cap. xvii, nº 9.) · finalmente, o homem de bem respeita todos os direitos que aos seus semelhantes dão as leis da natureza, como quer que sejam respeitados os seus. · não ficam assim enumeradas todas as qualidades que distinguem o homem de bem; mas, aquele que se esforce por possuir as que acabamos de mencionar, no caminho se acha que a todas as demais conduz. allan kardec (“o evangelho segundo o espiritismo” : xvii - 3) - JOãO PAULO BARUFI / MATO GROSSO - 32 anos

 parabéns pelas suas convicções; que bom seria se pelo menos metade dos homens pesassem assim. - MARI ALENCAR

 

 " a vida é difícil, eu o sei; ela se compõe de mil nadas que são picadas de alfinetes que acabam por ferir, mas é preciso considerar os deveres que nos são impostos, as consolações e as compensações que temos por outro lado, e, então, veremos que as bençãos são mais numerosas do que as dores. o fardo parece menos pesado quando se olha para o alto, do que quando se curva a fronte para o chão." - JOãO PAULO BARUFI / MATO GROSSO - 32 anos

 olá! joão paulo; muito interessante! mas, vc esqueceu de colocar " " eu já li um trecho dessa sua citação em algum lugar... mesmo assim, parabéns... - MARI ALENCAR